Fauna


Ictiofauna
 

FURNAS se preocupa com a manutenção da biodiversidade da ictiofauna da região dos empreendimentos de geração hidrelétrica da empresa. Por isso, FURNAS investe em programas de monitoramento e de repovoamento dos reservatórios com peixes nativos. Estuda-se a composição da comunidade de peixes antes e após a construção das hidrelétricas, acompanhando as alterações e analisando a biologia e ecologia de diversas espécies de interesse ecológico e econômico.


Estudos específicos:

  1. Análise do ictioplâncton (ovos e larvas de peixes)
  2. Biotelemetria dos peixes
  3. Análise genética de populações de peixes migradores
  4. Monitoramento pesqueiro (caracterização socioeconômica dos pescadores e da atividade de pesca nas regiões avaliadas)
  5. Análise da eficiência do Sistema de Transposição de Peixes (STP) na Usina Hidrelétrica de Anta (RJ/MG)

Estes estudos permitem auxiliar na proposição de medidas indicadas para a manutenção da diversidade ictiofaunística e dos recursos pesqueiros da área sob influência dos empreendimentos, FURNAS utiliza como base dados científicos obtidos a médio e longo prazos, de forma criteriosa.

FURNAS mantém uma Estação de Piscicultura na UHE Furnas (MG), onde produz sete espécies de peixes nativos da bacia do Alto Paraná em uma área com 33.000 m² de espelho d'água. Em 2016, foi realizada a produção de 26.155 alevinos, em sua maioria, de peixes da piracema.


Fauna silvestre
 

FURNAS realiza estudos visando ao aprimoramento do conhecimento da fauna silvestre nos empreendimentos hidrelétricos ou em linhas de transmissão da empresa, em conformidade com a Legislação Ambiental vigente no País. Estes estudos têm a finalidade de obter conhecimento mais específico da fauna onde o empreendimento está inserido.

Instituições de pesquisa de renome nacional e internacional participam destes estudos. Pesquisadores usam os dados coletados para a elaboração de teses de mestrado e doutorado, aprimorando o conhecimento da fauna brasileira.

FURNAS adquiriu vasta experiência em operações de resgate da fauna realizadas durante a formação dos reservatórios das Usinas Hidrelétricas de Corumbá e de Serra da Mesa, em Goiás, e no Aproveitamento Múltiplo de Manso, em Mato Grosso, nos anos 90 e 2000. Mais recentemente, realizou resgates nos Aproveitamentos Hidrelétricos de Simplício (MG/RJ) e Batalha (MG/GO).

A construção de hidrelétricas e linhas de transmissão requer ações de manejo das populações animais, a fim de minimizar a interferência nas transformações da paisagem sob influência destes empreendimentos. Tais ações também podem contribuir para ampliação do conhecimento científico sobre diversas espécies.
 

Etapas dos Estudos de fauna

FURNAS estuda o local do empreendimento em momentos diferentes.

Primeira etapa: Inventário da fauna.
Segunda etapa: Manejo e resgate da fauna silvestre durante a implantação dos empreendimentos e enchimento dos reservatórios.
Terceira etapa: Monitoramento da fauna, que fornece indícios de como os animais da região vêm reagindo.

Trabalhos já concluídos ofereceram ótima oportunidade para investigações a respeito do efeito da fragmentação e da insularização dos habitats sobre as populações e comunidades faunísticas. Foi também possível avaliar a capacidade de alguns animais trasladados de se adaptarem e permanecerem na área de soltura.

Os Guias de Fauna têm como principal objetivo contribuir com a divulgação de informações técnico-científicas geradas a partir dos estudos desenvolvidos por Furnas em torno de seus empreendimentos, além de conscientizar o leitor da importância da preservação da biodiversidade e dos recursos naturais. Foram elaborados pelo Departamento de Engenharia Ambiental da empresa e possuem informações relevantes sobre as principais características biológicas e ecológicas das espécies registradas.


Conheça algumas das espécies encontradas em nossos empreendimentos