Flora


FURNAS é pioneira na conservação da cobertura vegetal sob cabos condutores das linhas de transmissão construídas desde o final da década de 90. A iniciativa reduz muito as intervenções na vegetação. A empresa recupera as áreas utilizadas durante a construção de unidades operacionais, por meio de Programas de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) e de Conservação da Flora e Recomposição da Vegetação, o que minimiza bastante as interferências realizadas.

Desde 2002, FURNAS realiza resgate de germoplasma vegetal. Após a coleta das sementes, são produzidas mudas de espécies arbóreas nos viveiros de mudas da empresa. As mudas produzidas são plantadas através dos Programas de Conservação da Flora e Recomposição da Vegetação.


Viveiros de plantas

Foram produzidas 1,2 milhão de mudas de espécies nativas da Mata Atlântica e do Cerrado nos viveiros das usinas hidrelétricas de Furnas (MG), Luiz Carlos Barreto de Carvalho (SP/MG), Marimbondo (MG/SP), Funil (RJ) e Itumbiara (MG/GO). As mudas foram utilizadas nos plantios de, aproximadamente, 432 hectares de Áreas de Preservação Permanente (APPs) dos reservatórios das usinas e em compensações ambientais nas áreas de influência de linhas de transmissão e de subestações.


Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD)

Antes de qualquer supressão de vegetação, são realizados inventários florestais que identificam e quantificam a flora a ser suprimida. Posteriormente, FURNAS promove Programas de Recuperação de Áreas Degradadas (PRADs) por meio dos quais a vegetação suprimida é recomposta em áreas equivalentes ou maiores, de acordo com a legislação local do Bioma.