Workshop sobre patologias do concreto teve apoio de FURNAS

Publicado em:
/ Crédito: Divulgação


Problemas que prejudicam as estruturas de concreto foram debatidos em São Paulo, durante o Workshop RAA Reações Expansivas no Concreto, que teve como coordenadora dos debates a engenheira civil de FURNAS Nicole Pagan Hasparyk.

Realizado nas dependências do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), os assuntos discutidos foram semelhantes aos contidos no trabalho apresentado por Nicole Hasparyk e Selmo Kuperman, no recente XXXII Seminário de Grandes Barragens, relacionado às "Investigações preliminares e garantia da qualidade".

A equipe organizadora do workshop, apoiada por FURNAS e formada pelo IPT, ABCP e IBRACON,  buscou disseminar o conhecimento acumulado sobre reações expansivas deletérias ao concreto e apresentar medidas preventivas. Destacou-se o fato de que FURNAS já possui conhecimento e prática em relação aos cuidados a serem tomados, de forma a evitar essas reações patológicas nas suas estruturas.

Inicialmente, foi apresentada uma prática recomendada sobre RAA (Reação álcali-agregado) do Ibracon, intitulada "Guia de prevenção da reação álcali-agregado", que teve como base a norma brasileira da ABNT (NBR 15577 Agregados – Reatividade álcali-agregado).

FURNAS, por meio de seus colaboradores, participou da redação dessa prática, e atua  ativamente na elaboração de normas da ABNT em vários segmentos. A empresa esteve representada também na redação e revisão da norma em pauta, nas suas duas últimas versões (de 2008 e 2018), pela colaboradora Nicole Hasparyk, especialista no tema com mestrado e doutorado na área.

Na sequência do workshop, o problema DEF (Ataque por sulfatos por formação de etringita tardia) foi abordado de forma a mostrar os reflexos negativos nas propriedades mecânicas e microestruturais do concreto, e que podem afetar o desempenho e durabilidade das estruturas.

Durante os debates, a engenheira de FURNAS alertou quanto à carência de normalização para estudar o traço de concreto da obra, de forma a especificar as medidas mitigadoras. No que tange a DEF, alertou ainda a respeito dos sérios riscos a que as estruturas podem ser submetidas, caso não seja feito um estudo completo e controle específico para cada caso, uma vez que não só o concreto e seus materiais, mas o tipo de estrutura e ambiente de exposição estão envolvidos no processo.

O workshop funcionou ainda como um encontro para a troca de informações e experiências entre diversos profissionais da área bem como alunos de graduação e pós-graduação.
 

Por: Eduardo Franklin