Usina Mascarenhas de Moraes (Peixoto) - 476 MW

Usina Mascarenhas de Moraes (Peixoto) - 476 MW
A história da Usina Mascarenhas de Moraes, anteriormente denominada Peixoto, data de 1947, dez anos antes da fundação de FURNAS, quando a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) via ameaçada de esgotamento a sua capacidade de geração. Estudos realizados numa bacia de drenagem, com 59.600 km², indicaram os benefícios da construção da barragem, permitindo, assim, a regularização das descargas do rio Grande.

Em 1950, a CPFL conseguiu a concessão para construir uma usina hidrelétrica num local situado próximo à cidade de Ibiraci. Sete anos depois, duas unidades, de 40 MW cada, entravam em operação. Esta foi a primeira usina de grande porte construída no rio Grande.

Localizada entre as usinas de Furnas (a montante) e Luiz Carlos Barreto de Carvalho (a jusante), a Usina Mascarenhas de Moraes está entre dois grandes complexos energéticos. Posteriormente, a regularização das vazões do rio Grande, realizada, sobretudo, pela Usina de Furnas, permitiu que mais unidades fossem instaladas e, em 1968, a então Usina de Peixoto alcançou sua capacidade final de 476 MW, com dez unidades geradoras.

Em dezembro do mesmo ano, Peixoto recebeu nova denominação: Usina Marechal Mascarenhas de Moraes. Somente em 1º de agosto de 1973, por determinação da Eletrobrás, a usina passou a ser operada por FURNAS.


Dados técnicos


Barragem 

  • Tipo: arco e gravidade
  • Desenvolvimento no coroamento: 600 m
  • Elevação no coroamento: 669,12 m
  • Volume total: 800 mil m³


Reservatório

  • Nível normal de operação: 666,12
  • Nível de máxima cheia (Nível máximo maximorum): 666,92
  • Nível de desapropriação: 668,62 m
  • Nível mínimo de operação: 653,12
  • Área inundada: 250 km²
  • Volume total: 4,04 bilhões m³
  • Volume útil: 2,5 bilhões m³


Tomada d'Água 

  • Comportas tipo vagão
  • Quantidade: 10
  • Altura d’água sobre a soleira: 22 m
  • Largura: 7,08 m
  • Altura: 6,15 m
  • Fabricantes: 1 a 3 - Paceco (USA) / 4 - Monarch (USA) / 5 a 10 - Torque (Brasil)


Vertedouro 

  • Descarga Máxima: 9.350 m³/s
  • Comportas tipo segmento
  • Quantidade: 11
  • Largura: 10,67 m
  • Altura: 12,98 m
  • Raio: 10 m
  • Fabricante: Paceco (USA)


Vertedouro complementar 

  • Descarga Máxima: 3.1000 m³/s
  • Comportas tipo segmento
  • Quantidade: 2
  • Largura: 12 m
  • Altura: 16,50 m
  • Raio: 16 m
  • Fabricante: Bardella S.A.


Casa de força 

  • Tipo: semicoberta
  • Dimensão: 210 m x 25 m
  • Unidades geradoras: 10
  • Rotação: 128,6 RPM (unidades 1, 2, 5, 6, 7 e 8) / 138,5 RPM (unidades 3, 4, 9 e 10)
  • Potência nominal: 40 MW (unidades 1 e 2) / 48 MW (unidades 3 e 4) / 49 MW (unidades 5, 6, 7 e 8) / 52 MW (unidades 9 e 10)


Turbinas

  • Tipo - Francis de eixo vertical
  • Diâmetro do rotor: 3,911 m (unidades 1 e 2) / 3,947 m (unidades 3 e 4) / 4,013 m (unidades 5, 6, 7 e 8) / 3,950 m (unidades 9 e 10)
  • Fabricantes: 1 e 2 (Dominium/Canadá) / 3 e 4 (Morgan Smith/USA) / 5, 6, 7 e 8 (W.Stell/USA) / 9 e 10 (MEP/Brasil)


Geradores

  • Frequência - 60 Hz
  • Tensão nos terminais: 13,8 kV
  • Fabricantes: 1 a 4 (Westinghouse/USA) / 5, 6, 7 e 8 (General Electric/USA) / 9 e 10 (Brown Boveri/Brasil)
  • Transformadores: 24 (operação mais reserva)
  • Tipo: monofásico / trifásico
  • Capacidade total em operação: 797,92 MVA
  • Relação de transformação: 13,8 / 345 kV / 13,8 / 138 kV
  • Fabricante: ABB / Westinghouse / GE / Alsthon