FURNAS construirá usina solar próximo à Usina de Anta (RJ/MG)

Publicado em:
/ Crédito: Divulgação


O serviço Broadcast (da Agência Estado), os jornais Estado de Minas, Correio Braziliense e O Estado de S. Paulo e o portal da revista IstoÉ Dinheiro, entre outros veículos de comunicação, noticiam nesta terça-feira (2/7) que FURNAS assinou contrato para a implementação de suas primeiras usinas solares fotovoltaicas. O projeto prevê a instalação de três usinas fotovoltaicas de potência nominal de 1 MW cada, totalizando potência de 3 MW, em área próxima à Usina Hidrelétrica de Anta, localizada no rio Paraíba do Sul, divisa entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Com o projeto, classificado como de Autoconsumo Remoto de Geração Distribuída, FURNAS estima reduzir em cerca de 40% os gastos anuais com energia elétrica do Escritório Central da empresa, no Rio de Janeiro. O cronograma prevê a implantação em nove meses, e a geração comercial no primeiro trimestre de 2020. A previsão é que o investimento de pouco mais de R$ 11 milhões se pague em cerca de cinco anos.

A contratação das obras da usina fotovoltaica foi a primeira de FURNAS na modalidade Contratação Integrada, prevista na lei 13.303/2016. Com isso, o consórcio Kyo-Green, formado pelas empresas Kyoservice e Solergy, será responsável pela execução desde a fase de projeto básico até o término da obra e início da operação comercial. A licitação obteve um deságio de cerca de 20% em relação ao valor orçado inicialmente.

O noticiário destaca que, segundo o superintendente de Empreendimentos de Geração de FURNAS, Rodrigo Calixto, o objetivo é ampliar o projeto de geração de energia solar para atender a outras áreas da empresa. "Já temos um projeto para uma segunda planta no interior do Rio de Janeiro, em uma área de atuação da Enel. Depois, a ideia é expandir a geração fotovoltaica para Minas Gerais, São Paulo e demais áreas onde atuamos. Queremos zerar a conta de luz nas unidades de FURNAS", explica. 

O executivo acrescenta que o investimento em plantas de geração de energia fotovoltaica para autoconsumo é um passo para que a empresa ganhe experiência na exploração dessa fonte. 


Energia eólica

Os jornais Estado de Minas e Correio Braziliense também ressaltam que a subsidiária de FURNAS Brasil Ventos fechou contrato de fornecimento de aerogeradores com a empresa Nordex-Acciona para o Complexo Eólico de Fortim, no Ceará. A planta terá capacidade de 123 MW.
 

Por: Leonardo Cunha