Planos de Gestão Ambiental Integrada


Os Planos de Gestão Ambiental são elaborados e implantados nas usinas e subestações da empresa pela equipe técnica ambiental de FURNAS, além de órgãos da empresa como: Engenharia Civil; Engenharia Mecânica; Materiais e Logística; Segurança do Trabalho e Saúde; Segurança Patrimonial; Produção e Manutenção.

Os Planos estão subdivididos em:

  1. Análise Preliminar de Perigos/Riscos e Aspectos/Impactos Ambientais (PRAI): Sistematiza o processo para a identificação e avaliação de Perigos/Riscos relacionados à saúde e à segurança do trabalho. Também abrange Aspectos/Impactos relacionados ao meio ambiente nas atividades, produtos e serviços decorrentes de situações normais e anormais emergências nas etapas de construção, operação e manutenção das instalações da empresa.

  2. Plano de Atendimento às Emergências (PAE) / Plano de Atendimento às Emergências da Central (PAEC): Apresentam os procedimentos de resposta às emergências que eventualmente possam vir a ocorrer nos empreendimentos de FURNAS, além de definir as atribuições e responsabilidades dos envolvidos nestas situações, por meio do desencadeamento de ações rápidas e seguras, a fim de conter ou minimizar riscos ou prejuízos à pessoa, ao meio ambiente e ao patrimônio da empresa.

  3. Plano de Monitoramento de Efluentes e Qualidade de Água (PMEQA): Estabelece procedimentos visando o controle da qualidade da água para consumo humano e o tratamento dos efluentes líquidos sanitários e industriais, segundo as exigências legais federais, estaduais e municipais. O plano contempla orientações técnicas de operação dos sistemas, as normas e as metodologias aplicadas, parâmetros analisados, pontos de coletas de amostras e periodicidade de amostragem.

  4. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGR): Como instrumento da Política Nacional de Resíduos Sólidos, o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos visa estabelecer critérios, procedimentos e medidas para controle dos resíduos gerados pelos empreendimentos de FURNAS desde a geração, com sua classificação, sistematização da segregação, acondicionamento, coleta, triagem, armazenamento, transbordo, transporte, destinação final de resíduos (reciclagem, reutilização, recuperação e tratamento) e disposição final de rejeitos, com vistas ao gerenciamento adequado e minimização da geração dos resíduos sólidos, com base na Legislação Ambiental em vigor, Normas Técnicas da ABNT e nas exigências das Entidades Ambientais envolvidas com o assunto. Os resíduos sólidos gerados são encaminhados para empresas especializadas e credenciadas, a fim de realizar o tratamento correto e disposição. O PGR contempla o Programa de Coleta Seletiva Solidária.

  5. Programa de Coleta Seletiva Solidária: Em atendimento ao Decreto Presidencial nº 5940/2006, FURNAS mantém Termo de Compromisso firmado com Cooperativas e/ou Associações de Catadores de Materiais Recicláveis. No documento, a empresa se compromete a disponibilizar os resíduos recicláveis e parte da sucata metálica gerada nas suas usinas e subestações. Desde 2008, FURNAS mantém uma Comissão da Coleta Seletiva Solidária, que trabalha para melhorar o aproveitamento de resíduos em processos de reutilização e reciclagem. Atualmente, a coleta seletiva vigora em 37 unidades de FURNAS, entre escritórios, usinas hidrelétricas e subestações. A empresa também sediou, no Rio de Janeiro, um dos importantes eventos sobre a coleta seletiva solidária: o 1° Fórum dos Órgãos Federais (2008); e o Fórum Internacional: Rede por um Futuro Melhor, promovido em 2013 pela Rede Nacional de Mobilização Social (Coep) e o Centro para Inovação Comunitária da Universidade de Carleton, no Canadá.


Sistema de Gestão Ambiental (SGA)


O SGA permite a avaliaçãoe controledos eventuais impactos ambientais advindos das atividades operacionais da empresa, bem como propicia a melhoria contínua de seus processos,sendo uma ferramenta eficaz para a consolidação da Política Ambiental de FURNAS. Em 1998, a Subestação de Ibiúna implantou, pioneiramente, um SGA em conformidade com a norma NBR ISO 14001 (certificados Bureau VeritasQualityInternational do Brasil/Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro), em nível nacional e outro do BVQI/RaadVoorAccreditatie (RVA), em nível internacional). Posteriormente, a Subestação de Foz do Iguaçu (PR) foi igualmente certificada e, atualmente, o seu SGA está passando por um processo de recertificação.

O Departamento de Estudos e Gestão dos Meios Socioeconômico e Culturalorienta o quadro funcional quanto às diretrizes para gestão ambiental, sempre com a prerrogativa de resguardar a integridade das pessoas, do meio ambiente e da empresa.