Audiência pública no Senado debate nível do reservatório da usina de Furnas

Presidente Luiz Carlos Ciocchi destaca o compromisso da empresa com a transparência e o diálogo

Publicado em:
Crédito:Divulgação / Senado Federal


O presidente de FURNAS, Luiz Carlos Ciocchi, participou, nesta quinta-feira (5/3), de audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado, em Brasília. Convocado pelo senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o debate reuniu vários representantes do setor elétrico para discutir o estabelecimento do nível das águas em represas, tendo em vista o uso econômico e social nos reservatórios brasileiros, em especial da UHE Furnas (MG). O principal pleito levantado pelos parlamentares na audiência foi o estabelecimento de uma cota mínima do reservatório.

Ciocchi reforçou que FURNAS adota postura aberta ao diálogo e sempre trabalhou junto à comunidade, principalmente nos municípios lindeiros ao reservatório da Usina de Furnas. “Estamos abertos às discussões, prestando os devidos esclarecimentos e procurando sempre dar o melhor da nossa contribuição para a região. Além disso, trabalhamos de forma conjunta com os entes envolvidos para que a situação do nível ideal do reservatório seja contornada”, comentou o executivo, que se comprometeu a despachar do escritório da empresa em São José da Barra (MG) pelo menos uma vez por mês.

"A Usina de FURNAS é uma usina de cotas. A nossa receita vem da operação e manutenção, deixando o nosso parque gerador à disposição do ONS para despacho. Portanto, diferente do que muitas vezes se comenta, nós não temos interesse econômico em gerar mais ou menos, pois a nossa receita é fixa, independente do volume de energia gerado”, ressaltou o presidente.

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema (ONS), Luiz Eduardo Barata Ferreira, também participou do debate e enfatizou os impactos que devem ser analisados ao se estabelecer uma cota mínima, como a redução da capacidade de produção de energia, refletindo na operação das demais hidrelétricas dos  Rio Grande e Paraná, e o aumento dos custos em todos os subsistemas do SIN. 

Participaram também da audiência pública o Promotor de Justiça da 3ª Promotoria de Justiça de Varginha (MG), Mário Antônio Conceição, o Superintendente de Regulação dos Serviços de Geração da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Christiano Vieira da Silva, o Diretor Substituto da Área de Hidrologia da Agência Nacional de Águas (ANA), Joaquim Guedes Corrêa Gondim Filho, o Presidente da Associação dos Municípios do Lago de Furnas (ALAGO), Hideraldo Henrique Silva, e o Gerente Executivo de Programação do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Vinícius Forain Rocha, além de deputados federais, vereadores e prefeitos de Minas Gerais.

Em seguida, Ciocchi se reuniu com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para falar sobre o assunto juntamente com outros participantes da audiência pública. O senador Carlos Viana (PSD-MG) destacou que eventuais mudanças devem considerar estudos e diálogos permanentes. “As reivindicações serão feitas dentro de uma responsabilidade. O Sistema Nacional de Energia Elétrica é um conjunto de peças, as quais não podemos tirar uma para não prejudicar o sistema”, afirmou.

Já a presidente da ANA, Christianne Dias, destacou que a solução de todo o problema é o diálogo e um cronograma está sendo elaborado para que o uso múltiplo da água do reservatório da UHE Furnas seja atendido.
 

Por: GCA.P